VOLTAR

Informatizar a saúde pública pode economizar R$ 20 bi aos cofres públicos


Ricardo Barros - Informatizar a saúde pública pode economizar R$ 20 bi aos cofres públicos

Durante a audiência pública promovida pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, o ex-ministro da Saúde, deputado federal Ricardo Barros (Progressistas/PR) defendeu que a informatização do sistema de saúde pode evitar a repetição de consultas, exames e entregas de medicamentos, economizando cerca de R$ 20 bilhões aos cofres públicos. “Essa economia possibilitaria o reinvestimento no próprio serviço de saúde pública. O TCU não pode paralisar o Brasil. O gestor foi eleito para isso e tem que responder se houver irregularidade”, argumentou o parlamentar. O presidente da Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), Mauro Junqueira concorda com o parlamentar e lembra que a realidade nos municípios mostra desperdícios de dinheiro público por falta de informatização. “Por não termos um prontuário único, nós perdemos muito dinheiro no sistema único de saúde. A população procura assistência onde ela encontra uma porta aberta, passando por vários profissionais de saúde, com repetição de exames e de medicamentos”, narra. O assessor técnico do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), Nereu Mansano apresentou alguns pontos que considera relevante para um sistema de saúde informatizado e mais eficiente. “As informações – inclusive clínicas – devem ser produzidas e compartilhadas, em tempo real, em toda a rede de atenção a saúde. Deve haver a coleta de informação no momento do cuidado para reduzir as redundâncias, ineficiências diversas e as fragmentações”, defendeu. Ricardo Barros contou que durante a sua gestão no Ministério da Saúde sofreu resistência de vários setores para a implementação dessa medida. “O maior lobby que enfrentei foi o contrário à informatização da saúde. A maior resistência para a implantação da informatização é dos servidores da saúde. Porque eles estão lá na ponta e não querem um sistema que controle a hora que eles chegam, a que saem, e toda a sua produtividade”, lembra.